h1

Intoxicações em Pequenos Animais

novembro 25, 2009

Os casos de intoxicação em pequenos animais têm grande freqüência, principalmente em clínicas que se localizam nos grandes centros urbanos. Isso se deve, provavelmente, ao fato de que um grande número de pessoas vive atualmente em apartamentos e possuem animais. Esses animais são expostos e correm risco de intoxicação por produtos de limpeza, inseticidas e alimentos.

Uma simples reforma ou pintura num apartamento ou até mesmo uma faxina com produtos mais fortes, pode causar sérios danos ao animal. Principalmente gatos, que são mais sensíveis.Com um histórico bem feito, uma boa anamnese, um atendimento rápido e com o conhecimento dos principais produtos tóxicos e seus respectivos antídotos, é possível salvar o animal. A falta de informações precisas e o tempo são os principais fatores que dificultam o trabalho levando à fatalidade dos casos.

Intoxicação e Envenenamento por Agentes Químicos

Etanol

–    Mecanismo de ação: Efeito sobre lipídeos e proteínas; reduz condutância de sódio e potássio;

–     Dose: 5-8 mL/Kg.

Teor alcoólico de   bebidas comuns

 

Cerveja 3,5%
Vinho 9-12%
Uísque 50-90

–         Sinais: 15 a 20 minutos ou 60 minutos; ataxia;redução dos reflexos;poliúria;depressão;morte.

–         Causas: acidentais; intencionais; produtos fermentados.

–         Diagnóstico: monitorar hipoglicemia.

 

Rodenticidas

–        Definição: Coagulopatia causada pela redução dos fatores de coagulação.

–        Mecanismo: Inibição da vitamina K1, requerida para a carboxilação dos fatores II, VI, IX e X da coagulação.

–        Sinais clínicos: hematomas, hemorragias, letargia e depressão.

–        Laboratório: anemia.

Outros

–        Removedores de tintas: irritação na pele, lesões hepatorrenais, pneumonia e desorientação;

–        Polidores de automóveis: vômitos, pneumonia, lesões hepatorrenais;

–        Solução para revelação de filmes fotográficos: PU/PD, convulsões, IRC;

–        Desodorantes: lesão renal;

–        Fogos de artifício: vômito, diarréia e metahemoglobina;

–        Extintor de incêndio: irritação ocular, cutânea e lesão hepatorrenal;

–        Fósforo: formação de metahemoglobina;

–        Perfumes: lesões hepatorrenais, ataxia, inquietação;

–        Lysol e Pinho-sol: lesões renais e metahemoglobina;

–        Bronzeador: lesões hepatorrenais, vômitos, dor abdominal, coma.

Intoxicação com Aspirina

Sinais Clínicos: depressão, vômito, taquipnéia, febre, fraqueza muscular, ataxia e morte em 24 horas.

Causas:

–  Proprietários;

– Deficiência na capacidade de glicuronização;

–   Meia vida de 44 horas em gatos.

Sinais:

–  Não específicos.

Achados laboratoriais:

– Corpúsculos de Heinz;

– Hiponatremia e Hipocalemia.

 

 

Animal com edema facial em decorrência da intoxicação com aspirina

 

Intoxicação com Estrógeno

Revisão:

–        Cães são mais sensíveis;

–        Causa pancitopenia, feminilização dos machos e piometra em fêmeas.

Sinais Clínicos:

–        Intolerância a exercícios;

–        Petéquias;

–        Hematúria;

–        Melena;

–        Alopecia.

Causas:

–        Estrógeno endógeno;

–        Estrógeno exógeno.

Achados Laboratoriais:

–         Trombocitopenia em 2 semanas;

–         Leucocitose até 3º semana;

–         Anemia normocítica normocrômica;

–         Pancitopenia em 4 semanas.

Outros testes:

–         Exame de aspirado de medula;

–         Recuperação hematológica pode levar 3 meses;

–         Sangue 3 dias após recuperação da medula.

Hepatotoxinas

Revisão: substâncias endógenas e exógenas que produzem alteração no fígado.

Incidência/Prevalência:

–        Gatos são mais susceptíveis;

–        Gatos Siameses;

–        Cães: Dobermans, Pinschers e Samoiedas;

–        Cães jovens.

Sinais Clínicos:

–        Anorexia, vômito, diarréia, icterícia, encefalopatia hepática e ascite (grave).

Causas:

Medicamentos:

–        Caprofen (cães);

–        Diazepan (gatos);

–        Paracetamol (cães);

–        Dietilcarbazina (cães);

–        Glicocorticóides (cães);

–        Griseofulvina (gatos);

–        Halotano (cães);

–        Mebendazol (cães);

–        Primidona (cães);

–        Fenobarbital (cães);

–        Tetraciclina e Sulfametazol-trimetoprim.

–        Substâncias Químicas:

–        Cogumelo Amanita;

–        Aflatoxinas;

–        Micotoxinas;

–        Compostos Clorados;

–        Metais pesados;

–        Fenóis.

–        Endotoxinas:

–        Microorganismos intestinais;

–        Envenenamento alimentar.

–        Achados Laboratoriais:

–        Ht; normal ou elevado;

–        Poiquilocitose;

–        Aumento de ALT e AST;

–        Hiperbilirrubinemia;

–        Albumina, uréia e glicose: variável;

–        Perda da função hepática: variável.

Medicamentos que Não Devem Ser Dados aos Gatos !!!

Acetominofen (Tylenol);

Benzocaina (Andolba);

Hidrocarbonetos clorados (como Lindane, Clordane);

Hexaclorofeno (agente germicida, encontrado em xampus, desinfetantes e sabonetes, como o Phisiohex);

Carbaril (Carbamato = usado em remédios contra pulgas como Talco Bulldog);

Azul de Metileno;

Aspirina (AAS, Melhoral);

Sulfonamidas (Sulfas);

Sulfoetoxipiridazina (Bactrin);

Cloranfenicol;

Lidocaína;

Anti-inflamatórios não esteróides;

Tetraciclina;

Morfina;

Fenobarbital, Pentobarbital Sódico e Tiopental Sódico;

Diazepan, Valium e Dienpax (tranquilizantes Benzodiazepínicos);

Clorpromazina (Amplictil);

Intoxicação por Alimentos

Intoxicação por chocolate

–         Definição: Toxicose gastrointestinal, neurológica e cardíaca causada pelo consumo de alcalóides metilxantínicos.

–         Mecanismo: Inibem os receptores de adenosina e da fosfodiesterase.

–         Incidência/Prevalência: 20 mais comuns envenenamentos pelo National Animal Poison Control Center.

–         Sinais clínicos: vômito, diarréia, convulsões, poliúria e morte.

–         Dose letal: 100-200 mg/Kg.

–         Laboratório: Hipoglicemia e densidade urinária baixa com proteinúria.

 

 

 

 

Intoxicação por cebola

–        Mecanismo: O princípio tóxico (n-propil dissulfito) presente na cebola causa a transformação da hemoglobina em metemoglobina.

–        Achados laboratoriais: anemia hemolítica, corpúsculos de Heinz e metemoglobinemia.

–        Mielograma: uma eritrogênese acentuada foi observada nos gatos que consumiram a planta, comprovada pela inversão na relação mielóide:eritróide e pela grande quantidade de precursores eritróides em atividade mitótica na medula óssea.

Corpúsculo de Heinz em hemácia de cão

 

 

PLANTAS TÓXICAS ( as mais comuns)

PLANTAS DE VASO:

–        Dieffenbachia picta (comigo ninguém pode: promove liberação de histamina pelos mastócitos.

–   Monstera sp (costela de adão, dragão fedorento, 7 facadas).

PLANTAS DE JARDIM:

–        Abrus precatorius (olho de cabra): causa diarréia sanguinolenta, anemia severa.

–        Lilium (Lírio): resulta em síndrome nefrótica grave- apenas 2      folhas podem ser letais. Achados laboratoriais: leucograma de estresse, aumento de creatinina (15-29 mg/dL), aumento de ALT e AST, proteinúria grave e glicosúria.

Medicamentos, produtos de limpeza e venenos devem ser mantidos fora do alcance das crianças assim como dos animais!!!

Anúncios

11 comentários

  1. Oi Professora… amei seu blog… agora vou entrar sempre!!!!

    Bjo
    Até quarta!


  2. Boa noite. Gostei muito deste blog, achei bastante informativo. Será que lhe podia fazer uma pergunta? Tenho uma chinchila há relativamente pouco tempo, e já por várias vezes que a encontro no meio de um acto (no meu ver) muito pouco usual: a comer fezes. É normal fazerem isto? E mais, será prejudicial à sua saúde?

    Peço desculpa pelo incómodo, e parabéns pelo seu blog


    • Olá Alexandra! Não é normal , mas é comum. É necessário rever a alimentação, vermífugos e questão comportamental.


  3. Muito legal este espaço que você criou esclarecendo muitas duvidas sobre criação e doenças comuns em nosso animais de estimação ,

    Parabéns .


  4. Olá doutora tudo bem ? antes de mais nada gostaria de dizer que gostei muito do seu blog é muito importante para quem é apaixonada por animais como eu, bom tenho uma cachorrinha que encontrei abandonada na estrada perto da minha casa com mais 2 irmãs que graças a Deus estão com donos agora , e ela pegou berne na perna trazeira nós removemos mas ela pegou bicheira como não tenho condições de estar levando ao veterinário então meu cunhado colocou esprei prata mata bicheira e ela lambeu o remédio desde então ela ficou com diarréia vomito .
    esses sintomas foram curados mas agora ela esta com refléxos lento parece não inxergar e não consegue correr muito que ela cai parece que esta com fraqueza e esta magrinha , comprei um remédio para desentoxicação que para o fígado e pentabiotico porte pequeno foi o que me indcaram em uma casa de ração o que devo fazer agora ? os sintomas vão desaparecer com o tempo? Att Alexandra há ela deve ter uns 4 ou 5 meses


    • Obrigada pelas palavras de elogio! Então, o problema é de ordem médica mesmo, não teria outra orientação a não ser levá-la o mais rápido ao veterinário.


  5. Olá Doutora, minha cadelinha é uma poddle tem 10 anos, recentemente no mes de fevereiro apresentou uma serie de convulsões 5 em uma tarde, levamos ao vet e foi diagnosticado erliquiose, o exame de sangue deu alterado, plaquetas baixas, foi iniciado o tratamento com antibiotico, vitaminas e gardenal. No segundo dia de tratamento ela começou com um quadro hemorragico anal, mesmo sem defecar saia sangue, levamos ao vet depois de muita conversa a vet pediu para retirar o gardenal que poderia ser ele o causador da hemorragia, passou antihemorragico e no terceiro dia já nao havia mas o quadro hemorragico. De la pra cá ela nao teve mas convulsão, hoje após meu pai chegar ela apresentou uma leve crise, gostaria de saber se o gardenal pode ser o causador desta hemorragia se já ocorreu com algum cliente seu ou até mesmo outro remedio para ser ultilizado.


    • Pode ser uma doença específica que tem como sinais a convulsão e fezes com sangue.


  6. A intoxicação de gato por pinho sol é via tópica ou oral?
    Adorei seu artigo.
    Parabéns!
    Karina


    • Olá! Pode ocorrer das duas formas, mas principalmente por via oral. Em gatos é um pouco mais rara, mas acontece.



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: