h1

Psiquiatria animal

dezembro 4, 2013

Os sentimentos dos animais se assemelham aos dos humanos. São seres sencientes, com emoções e que necessitam também, manter sua vida dentro da normalidade, apesar das mudanças externas, para que o organismo se mantenha sempre em equilíbrio, livre de doenças e em bem estar. Para atender ás necessidades desses animais, dos proprietários e com o objetivo de melhorar a relação entre eles existe uma especialidade na medicina veterinária denominada “psiquiatria animal”, que consiste na tríade de “aconselhamento psicológico” ao dono, manejo do ambiente e terapia farmacológica (quando necessário). Entrando no sentimento dos animais e compreendendo que eles vivem no presente, não refletindo sobre o passado ou futuro o vínculo entre seres humanos e animais poderá se tornar muito melhor.

Image

Anúncios
h1

Como lidar com estresse felino no atendimento veterinário.

julho 19, 2013

O gato como já citado em outras oportunidades, é um paciente muito especial no hospital, precisamos aprender  como lidar com suas emoções e respeitá-los. Existem algumas dicas para manejar esses animais quando necessitam de atendimento médico:

– Levá-los sempre nas caixas de transporte da casa até o hospital, aquele saco assustador é coisa do passado remoto desses pobres animais.

– Nas clínicas e hospitais, deve-se deixa-los em sala de espera separada até o momento da consulta.Imagine como é para um gato permanecer no mesmo ambiente que seus predadores?

– No consultório, lembrar de fechar todas as portas e janelas para se evitar fugas.

– Não retirá-los de forma brusca da caixa, abra a portinha e deixe que o animal decida livremente se quer ou não explorar o ambiente. Se ele optar por permanecer na caixa, peça para o proprietário retirá-lo.

– Caso o animal necessite de internamento, acomodá-los em local limpo, silencioso e longe de outros animais.

– Colocar caixas de papelão no fundo da gaiola para que eles possam se esconder, evitando estresse.Em muitas clínicas existe um local privativo para receber exclusivamente os gatinhos, uma excelente ideia!

h1

Estresse em felinos.

julho 19, 2013

 

Os gatos são maravilhosos, mas possuem particularidades comportamentais que os tornam animais muito especiais e que exigem  cuidados ao manejá-los. São animais temperamentais, ou seja, normalmente não obedecem a comandos dos humanos e nem de outros animais e raramente se submetem. Possuem também uma organização social muito rigorosa e são extremamente metódicos.  Qualquer falha na sua agenda de compromissos (alimentação, descanso, marcação de território, auto-limpeza e caça) já é motivo para estresse. Possuem também uma marcação territorial bem personalizada:  unhas, borrifamento (xixi) e marcas químicas. Algumas vezes esses recursos são utilizados para mostrar que o animal está emocionalmente e seu bem estar está comprometido.

Sinais que o gato está está estressado:

– Vocalização excessiva (ficam miando o tempo todo)

– Marcações em locais indevidos.

– Falta de apetite

– Diminuição no tempo que passa na área de descanso.

– Diminuição da auto-limpeza (“banhos”)

– Mordidas destrutivas

Lembrando que os Hábitos felinos se dividem em:

– Refeições – 10 vezes ao dia

– Locais de caça – verificar se está tudo certinho, tudo demarcado e sem risco de invasores.

– Eliminação

– Sono (normalmente a maior parte do dia).

– Período de atividade das 23:00 hr as 03:00hs e retorno ás 6:00 hs!

mundo-gaturro-tirinha-648-grande

h1

Assistência ao Parto de cadelas

março 30, 2013
Parto cadelas
Tudo começa quando a cadela entra no cio entre o 8º e 12 dia e cruza com o macho. O tempo de gestação médio é de 60 dias, podendo variar de 57 a 65, dependendo do porte da cadela. Na figura pode-se ter uma ideia de como acontece a evolução da gestação. O diagnóstico pode ser realizado através do exame de ultrassom a partir dos 28 dias de gestação e clinicamente em média aos 40 dias, quando a palpação e sinais ficam mais evidentes.

Preparação da Fêmea

•Fornecer alimentação de boa qualidade, em menor quantidade e com mais frequência. Normalmente a orientação é para se fornecer ração de filhote, mas no mercado já existem algumas marcas próprias para gestantes.
•Evitar suplementação de cálcio.
•Tosa higiênica para facilitar na hora do parto, manter a fêmea mais limpa e facilitar as mamadas.
• Começar a monitorar a Temperatura da fêmea 1 semana antes
• Preparar uma Caixa maternidade (lembrando que a cadela pode eleger outro local que ela entenda ser mais seguro).

Sinais que antecedem o Parto!

•Queda de Temperatura
•Mudança de comportamento (ninho)
•Tremores involuntários
•Presença de corrimento vaginal
•Mamas edemaciadas
•Falta de apetite
•90% iniciam o trabalho de parto á noite
•Primíparas (mamães de primeira viagem) tendem a ter particularidades e precisam de maior atenção, pois na maioria das vezes não executam os comportamentos maternos habituais.

Eutocia=Parto normal

parto normal

•2/3 dos filhotes com apresentação antero-posterior
•1/3 com apresentação posterior
•Intervalo entre os filhotes: de 20 a 60 minutos
•Aguardar 6 horas antes de indicar cesareana
O filhote nasce e a fêmea rompe a placenta, o cordão umbilical, lambe o filhote para estimular a respiração e o coloca para mamar. Esse é o comportamento normal e os humanos não devem interferir se estiver ocorrendo naturalmente.

Cuidados e Problemas relacionados com o parto:

•Inércia Uterina
•Inibição  do trabalho de parto por estresse
•Morte fetal
•Fêmea que não come a placenta
•Não rompe o cordão
•Filhote não respira
•Fêmea não Limpa o filhote
•Filhote preso na vulva
Nessa hora é necessário o auxílio de um médico veterinário, com urgência para realizar manobras obstétricas ou medicações apropriadas.
 distocia

Cuidados e Problemas Pós parto

•Prolapso uterino
•Retenção de placenta
•Hemorragia
•Tetania hipocalcêmica puerperal
•Canibalismo e Agressividade da mãe
Nesses casos, consulte um médico veterinário para orientação e procedimentos adequados.
h1

Filhotes Órfãos

março 24, 2011

A morte da mãe logo após o nascimento dos filhotes, fêmeas doentes, fêmeas que abandonam a cria após cesariana com instintos maternos pouco desenvolvidos, são as causas de filhotes órfãos . Para suprir a falta da mãe, devem-se estabelecer medidas para sua substituição por um programa de manejo apropriado evitando-se assim,  a chamada tríade neonatal: hipotermia, hipoglicemia e desidratação.

A primeira medida a ser tomada é com relação ao aquecimento: utilizar lâmpadas, bolsas de água morna ou garrafas do tipo pet com água morna.

Quanto á alimentação podem ser utilizadas formulações comerciais (observar Kcal) ou caseiras, tomando-se o cuidado de esterilizar todo o material e utilizar água fervida ou filtrada. Após o preparo, o leite deve ser armazenado por no máximo 24 horas à 4ºC. O volume para cada 100g de peso vivo é de: primeira semana 13 ml; segunda semana 17 ml; terceira semana 20 ml; quarta semana 22 ml . Dividir a cada 3 horas.

            Existem diversas formulações caseiras, por exemplo:

85 ml de leite condensado (glicose);

85 ml de água;

160 ml de iogurte (gordura);

3 a 4 gemas de ovo.

Nos trabalhos publicados a respeito do uso de formulações caseiras para filhotes órfãos, observa-se que nestas fórmulas contém menos proteína, menos calorias, cálcio e fósforo do que no leite da cadela.  Além disso, o índice do colesterol é maior. Eu prefiro recomendar as formulações comerciais que são mais próximas do leite da cadela.

Outra questão importante que devemos observar é o reflexo ano-genital. A cadela lambe seu filhote para estimular a defecação e a liberação da urina e na falta dela deve-se com o auxílio de um algodão úmido passar delicadamente na região da genital e no ânus do filhote para estimulação e liberação de fezes e urina.

        Os neonatos necessitam de acompanhamento constante do profissional da área de medicina veterinária pois são muito sensíveis e a taxa de mortalidade por erro de manejo é alta.

h1

Particularidades dos Gatos

julho 7, 2010

 

     A popularidade do gato como animal de estimação vem aumentando cada vez mais, principalmente nas grandes cidades, já que é um animal mais independente, exige pequeno espaço e é muito higiênico. No Brasil acredita-se que em 2020 a população de gatos como animal de estimação vai se igualar a de cães.

Os gatos apresentam algumas particularidades fisiológicas e de comportamento que os diferem de outras espécies.

Com relação às diferenças fisiológicas, os gatos são muito sensíveis à medicações pela deficiência de uma enzima de metabolização. Às vezes um medicamento que o proprietário possui em casa pode parecer inofensivo, mas pode levar o gato à morte.

Exemplos de medicamentosque não devem ser dados aos gatos:

– Ácido Acetil Salicílico (AAS e Aspirina)

– Paracetamol (Tylenol)

– Benzoato de Benzila (loção para sarna)

– Piridium (vias urinárias)

Já com relação ao comportamento o gato é ágil, esperto e dependendo da raça um tanto preguiçoso. O gato fora de casa se estressa facilmente e entra em pânico quando submetido a situações não habituais.

Quando e como levar um gato ao veterinário?

A partir dos 30 dias, os gatinhos já devem receber a primeira dose do vermífugo. Para a administração é necessária a pesagem correta. A primeira vacina ocorre por volta dos 60 dias e com um intervalo de 21 a 30 dias, faz-se a segunda dose.

Os gatos devem ser encaminhados à clínica em uma caixa de transporte, caso contrário ficam muito ansiosos.

Verificar sempre as janelas e as portas!!!!

Formas de medicação

Ao receitar um medicamento, devemos orientar rigorosamente o proprietário. Os felinos são sensíveis a odores e paladares, não podendo misturar o medicamento a alimentos. Evitar fórmulas doces pois os gatos não gostam muito de sabor adocicado e começam a babar.

Para dar medicação oral, sugere-se utilizar um banco, pois enquanto o gato pensa em se equilibrar a pessoa administra o medicamento! Nunca deve-se colocar o gato no chão ou no colo e nunca colocar a cabeça para trás com risco de pneumonia. Para administrar líquidos (animais menores de 2 kg) colocar a seringa entre o canino e o pré-molar. Para administrar comprimidos utilizar pinça ou aplicador, já cápsula lubrificar com manteiga para facilitar a administração!

h1

Gripe Canina

junho 23, 2010

 

                         É uma doença respiratória de cães, caracterizada por uma tosse seca, paroxística e persistente , dando a impressão de que o animal está engasgado e que tenta vomitar. Essa tosse pode durar até 4 semanas se o animal não receber o tratamento adequado.

É uma doença altamente contagiosa e a transmissão ocorre por aerossóis, ou seja, gotas eliminadas na tosse e espirro de animais contaminados. Assim animais sadios em contato com animais doentes podem desenvolver a doença.

A melhor maneira de prevenir a gripe é através das vacinas. Atualmente, existem vacinas vivas-atenuadas para aplicação intranasal e vacinas inativadas para uso injetável.

Outros cuidados  como evitar passeios em horários ou dias muito frios, deixar seu animalzinho longe das correntes de ar , usar roupinhas e providenciar uma casinha ou abrigo são muito importantes para se evitar a gripe canina!

Não deixe a gripe “pegar” seu melhor amigo…vacine!